132 candidatos disputam vaga de diretor-geral da CPLP

0
278
Georgina de Mello é um dos principais rostos da imigração cabo-verdiana em Portugal/ CPLP ©

A CPLP recebeu 132 candidaturas para ocupar a vaga de diretor-geral da organização lusófona, menos 34% que no último concurso de há seis anos que elegeu a economista cabo-verdiana Georgina de Mello para exercer aquela função no secretariado executivo.

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) prevê anunciar em janeiro o nome que irá dirigir a próxima direção geral da organização por um “período de três anos, passível de uma renovação por igual período”.

O jornal É@GORA questionou o Gabinete do Secretariado da CPLP sobre o processo de recrutamento do futuro diretor-geral, que é quem responde pela gestão corrente do Secretariado, pelo planeamento e execução financeira do orçamento do Secretariado Executivo da organização.

Foram “132 candidaturas válidas” contra “cerca de 200” aceites no último concurso realizado há seis anos para preencher o cargo de diretor-geral da CPLP, respondeu por escrito o Gabinete do Secretariado a uma das questões colocadas pelo jornal É@GORA.

Segundo o regulamento do concurso público internacional, o júri – que integra o secretário-executivo e os nove embaixadores da CPLP -, fará a escolha de um dos 132 proponentes, todos cidadãos nacionais dos Estados-Membros da organização.

A nota da CPLP enviada ao jornal É@GORA refere que, após o encerramento da receção de candidaturas “no dia 29 de novembro de 2019”, o resultado do concurso será anunciado “previsivelmente em janeiro de 2020”, altura em que termina o mandato de seis anos de Georgina de Mello.

Um dos principais rostos da imigração cabo-verdiana em Portugal, a economista cabo-verdiana, que assumiu o cargo em fevereiro de 2014, responde pela gestão do Fundo Especial da CPLP, pela preparação, coordenação e orientação das reuniões e pelo acompanhamento de projetos no quadro daquela organização lusófona.

A atual diretora geral do Secretariado Executivo da CPLP tem uma larga experiência nos setores público e privado, em organizações internacionais e ainda em organizações da sociedade civil.

Já trabalhou com projetos de diferentes fundos e agências das Nações Unidas e programas financiados pelo Banco Mundial, quer em Cabo Verde como em Timor-Leste.

Com uma vasta obra científica publicada em forma de artigos em revistas especializadas e em jornais, tanto em Cabo Verde como em Portugal, a académica cabo-verdiana é coautora, com Ana Cristina Lopes Semedo, do “Guia do Exportador para o Mercado da União Europeia”, editado em 2001 pela agência cabo-verdiana de promoção do investimento.

Antes de ser escolhida para diretora-geral, Georgina de Mello exercia as funções de Coordenadora da Unidade Nacional de Implementação do programa Quadro Integrado Reforçado (da Organização Mundial do Comércio), em Cabo Verde. (MM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here