Albufeira: Dois imigrantes subornam chefe da delegação do SEF, agora os três serão julgados

0
840

Manuel Matola

Aos 24 anos um jovem imigrante decidiu comprar vaga para acelerar o seu processo de agendamento no SEF, mas no lugar de subornar um simples funcionário do órgão pagou 200 euros ao próprio chefe da delegação regional do SEF em Albufeira que colaborou no crime.

Aquele responsável máximo da delegação regional do SEF, de 61 anos, também recebeu dinheiro de forma ilícita de um outro imigrante, esse de 44 anos, para agendar e facilitar o processo de obtenção de autorização de residência para a esposa deste jovem imigrante. Contudo, não se sabe ao certo qual foi o montante desembolsado pelo casal. Também não foram reveladas as nacionalidades dos imigrantes envolvidos nesse crime de corrupção.

Entretanto, o objetivo era do ato de corrupção era o mesmo: agendar com prioridade o processo de autorização de residência de ambos jovens imigrantes. Esse trabalho de facilitação do processo e receção de dinheiro dos dois imigrantes foi feito pelo delegado do SEF no seu gabinete mesmo estando fora do horário de expediente.

O caso deu-se nos meses de junho e julho de 2018.
Segundo a 2ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Faro (DIAP) que deduziu acusação de corrupção, agora o responsável do SEF em Albufeira vai ser julgado por dois crimes de corrupção passiva, enquanto cada um dos jovens estrangeiros vai ser julgado por prática de crime de corrupção ativa por pagarem para acelerar os seus processos.

Em nota publicada na página oficial, a Procuradoria da Comarca de Faro conta que “as quantias monetárias entregues eram independentes das taxas, coimas e emolumentos devidos pelos processos de autorização de residência; e foram embolsadas pelo arguido [o chefe da delegação regional do SEF em Albufeira] em proveito próprio”.

A investigação do caso que ocorreu há quase cinco anos esteve a cargo da Diretoria do Sul da Polícia Judiciária, segundo refere a nota da Comarca de Faro, órgão que integra a área de jurisdição do Tribunal da Relação de Évora. (MM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here