Cinco pessoas julgadas por crimes de auxílio à imigração ilegal e casamento por conveniência

0
306
Foto: Lusa

Cinco pessoas vão ser julgadas pelo Tribunal de Sintra pela prática de oito crimes, incluindo o de associação de auxílio à imigração ilegal e casamento por conveniência, uma estratégia que, em Portugal, tem sido usada para obtenção de autorização de residência a troco de valores que chegam, às vezes, a fasquia dos cinco mil euros.

Os arguidos estão, igualmente, indiciados de extorsão, sequestro e falsificação de documentos, ameaça e coação agravada, refere uma nota da Procuradoria Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

No comunicado publicado na página da internet, a PGDL diz que neste grupo há uma mulher que desempenhou papel fundamental na prática de um dos crimes.

“No essencial ficou indiciado que a principal arguida criou um grupo com o objetivo de favorecer, a troco de dinheiro, a entrada de cidadãos estrangeiros em território nacional, mediante a celebração de casamentos com portuguesas que angariava propositadamente para o efeito facilitando a tais cidadãos a obtenção de autorização para permanecer no nosso país e para circular no Espaço Schengen”, lê-se na nota da PGDL, a que o jornal É@GORA teve acesso.

O comunicado adianta ainda que, “com o propósito de conseguir que uma das arguidas continuasse a colaborar, outros arguidos” ameaçaram-na e puseram em causa “a sua integridade física e dos seus familiares” e “obrigaram-na a entregar dinheiro”, privando-a “da sua liberdade de movimentos”.

Apesar de somente três dos arguidos acusados se encontrarem em prisão preventiva, o Ministério Público “requereu o julgamento em tribunal coletivo de cinco arguidos” pela prática destes oito crimes.

No ano passado, o Serviço de Estrangeiros e Fronteira (SEF) deteve um cidadão português pertencente a uma rede de recrutadores de mulheres nascidas em Portugal que casam por conveniência com homens desconhecidos da Índia, Bangladesh e Paquistão a troco de cinco mil euros.

A detenção ocorreu em Lisboa em cumprimento de um mandado europeu emitido pela Bélgica, e resultou de uma investigação conjunta entre os serviços migratórios portugueses, a polícia belga em cooperação com as autoridades policiais alemães.

Segundo indicou o SEF, “a estrutura, em território português, angariava mulheres, falsificava as Certidões e organizava as viagens das ´esposas`, posteriormente recebidas pelas estruturas sedeadas nestes dois países (Bélgica e Alemanha) onde possuem casas que as acolhiam durante a sua estada e que serviam também como morada oficial a apresentar junto das autoridades locais”.

Mais tarde, “os casais viajavam para a Bélgica, onde os cidadãos indostânicos tentavam a legalização por via do casamento com cidadã comunitária, o que permitia aos maridos permanecer na União Europeia, obter autorizações de residência e, em seguida, obter lucros ilícitos com benefícios sociais”. (MM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here