Como funciona o seu “2° cérebro”, o Intestino?

3
553

Dra. Michele Miranda de Almeida
Consultora Nutricional
Você demora para evacuar? E se os intestinos dessem pistas sobre a gravidade da covid-19?
Foi demonstrado em um estudo que os mamíferos demoram em média 12 segundos para evacuar incluindo nossos antepassados, os primatas. Isto significa que nosso tempo deveria estar nessa média. Se a demora é muito mais do que isso e tem muita dificuldade para evacuar, essa matéria é para você!

O que é constipação intestinal?

A constipação intestinal não é uma doença, mas, sim, um sintoma. Pode estar associado a doenças digestivas ou não, ou a distúrbios funcionais das estruturas envolvidas na evacuação, condicionados por fatores ambientais, idade, sexo e hábitos pessoais.
Refere-se a um quadro clínico caracterizado por evacuações dificultosas, seja por eliminação esporádica (menos de três vezes por semana ou a intervalos superiores a 48 horas) ou incompleta, frequentemente acompanhadas de sensação de desconforto e distensão abdominal.

A constipação intestinal pode ser secundária a distúrbios intestinais como a presença de lesões estruturais do intestino e da região anorretal, uso de medicamentos para dor, fatores psicológicos e várias doenças metabólicas e sistémicas. A alimentação pobre em fibras e baixa ingestão de água também podem causar constipação. Todavia, na maioria dos casos, a constipação intestinal é funcional ou primária, na qual não há presença de alterações anatómicas.

Seu hábito intestinal é saudável?
Nos dias de hoje, as pessoas demoram para evacuar pois conduzem consigo muitas distrações ao banheiro ao invés de colocar sua concentração apenas na tarefa principal. Fatores também como: a depressão e o hipotireoidismo descontrolado diminuem a motilidade intestinal e, consequentemente, a formação e eliminação do bolo fecal. O hábito intestinal também sofre influência do sono desajustado, mudanças na alimentação, viagens, utilização de medicamentos e estado emocional. Desta forma, é natural o “intestino soltar ou prender” ocasionalmente. Cabe avaliar como é o seu hábito intestinal na maior parte do tempo.
Frequentemente, o diagnóstico é clínico, o especialista julgará a necessidade dos exames, bem como o melhor método diagnóstico para determinar as possíveis causas da constipação.

Por que o intestino é considerado nosso ‘2º cérebro’?
Ele tem mais neurónios que a espinha dorsal e funciona independentemente do sistema nervoso central e, por isso, é digno de ser chamado de segundo cérebro pela comunidade científica. O órgão pode funcionar sozinho e, com muita autonomia, tomar suas próprias decisões, sem que o cérebro lhe diga o que fazer. Quem o “governa” é o sistema nervoso entérico (SNE), uma espécie de “filial” do sistema nervoso autónomo do corpo que tem uma vasta rede composta por milhões de neurónios e neurotransmissores. Os neurónios intestinais também têm a capacidade de produzir pelo menos 90% da serotonina (molécula do bem-estar) que é descarregada em nosso corpo.

O “segundo cérebro” abriga 70% das células do sistema imunológico. Isso, por si só, já torna o intestino a chave para combater doenças e explica porque ficamos vulneráveis a problemas comuns, como uma gripe, quando ele está desajustado.

E se os intestinos dessem pistas sobre a gravidade da covid-19?
Dois projectos portugueses irão investigar se a gravidade da manifestação da covid-19 depende dos microrganismos que habitam o intestino do doente.

Será que os doentes com quadros mais severos de covid-19, que são encaminhados para os cuidados intensivos, têm uma população de bactérias nos intestinos (microbiota) diferente das outras pessoas? Este terá sido um dos pontos de partida para o projecto liderado por Conceição Calhau, investigadora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, e também para a investigação coordenada pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL), em parceria com hospitais públicos e privados portugueses.

É relevante admitir que não existe um ideal de frequência, entretanto, algo entre 3 vezes ao dia até evacuar dia sim, dia não, pode ser considerado normal. No entanto, se o indivíduo fica mais de dois dias sem evacuar e ao se sentar demora muito, mesmo concentrado na tarefa, e precisa fazer força, isso pode ser sinal de constipação.
O hábito intestinal não saudável causa mau-humor por estar literalmente enfezado, a constipação pode trazer também outros problemas, como – o aparecimento de hemorroidas e até mesmo de câncer colorretal.

No intestino absorvemos praticamente tudo o que comemos, nele estão presentes grande parte das bactérias do nosso organismo, nossa microbiota intestinal. Um intestino muito ativo (solto) ou preso (constipado) pode alterar a absorção de nutrientes e a população de bactérias ali presentes, com evolução para uma disbiose e hiperpermeabilidade intestinal.

Assim sendo, o intestino perdeu parte de sua capacidade de selecionar o que pode ser absorvido pelo organismo e o que deve ser eliminado nas fezes, por conseguinte absorve substâncias indesejadas e estimula toda uma cadeia de resposta imunológica e inflamatória que está associada à diversas doenças como – obesidade, alguns tipos câncer, esteatose hepática não-alcoólica e diabetes. O hábito intestinal não saudável pode te deixar doente.

Como obter um hábito intestinal saudável?
 A prática do “Exercício físico regular”- durante atividade física são liberadas algumas hormonas que estimulam a motilidade intestinal, dentre as quais a “adrenalina”- uma das mais importantes.
 “Disponibilidade” – deixe seu intestino funcionar quando ele sinalizar! Pouco adianta fazer tudo da forma correta, se frequentemente for inibida a vontade de evacuar. Muito comum entre as mulheres. Qual a complicação desta atitude? Na parte final do intestino ocorre a reabsorção de água, significa que quanto mais tempo as fezes permanecerem nesta região, mais ressecadas ficarão. Por conseguinte, conclui-se que será mais difícil a evacuação.
 “Apoiar os pés em um banquinho no momento da evacuação” – milhares de anos atrás a evacuação era de cócoras. No vaso sanitário ficamos na posição sentada, que faz com que a porção final do intestino, o reto, fique parcialmente ocluído pelo músculo puborretal, desta forma, dificultando a evacuação. Ao apoiar os pés e inclinar o tronco levemente para a frente, essa porção fica liberada e a evacuação facilitada.
 Não utilizar medicamentos laxantes sem orientação médica, eles possuem efeitos colaterais e podem prejudicar o funcionamento do seu intestino.

O que comer para regular o segundo cérebro?
O primeiro passo para mantermos uma flora intestinal equilibrada é adoção de hábitos saudáveis, a começar por uma alimentação natural.
Alguns alimentos contribuem fortemente por serem ricos em nutrientes e propriedades que ajudam a deixar o trato digestório íntegro.

Água: Faça a ingestão de 2 litros (10 copos) ao dia.

Fibras: alimentos como feijão, soja, vegetais de folhas escuras, frutas, cereais integrais e aveia ajudam a garantir a cota necessária de fibras.

Leguminosas: feijão, lentilha, grão-de-bico, soja e ervilha.
Vegetais e legumes: dietas vegetarianas, por seu alto teor de fibras, são extremamente benéficas para o equilíbrio e a saúde da flora intestinal – (brócolos, chicória, acelga, quiabo, entre outros).
Cereais integrais: são ricos em fibras – arroz integral, aveia, chia, linhaça e granola.
Frutas: melhoram a constipação intestinal, com casca e bagaço, sempre que possível – mamão, ameixa, manga, laranja, melancia, abacate, abacaxi, uva.
Batidos de vegetais sem coar – utilizar abacaxi, laranja, cenoura, abacate, melancia, manga, tomate, couve, entre outros alimentos.
Probióticos: estimulam a multiplicação das bactérias do bem e melhoram a absorção de nutrientes em geral. Utilizados em casos de constipação, diarreia e deficiência da microbiota.
Polifenóis: alimentos como chocolate amargo (mais de 70% de cacau), uvas, amêndoas e cebola.

Atenção à sua saúde! Garanta um bom hábito intestinal com uma boa alimentação e respeite seu intestino!

Data da última revisão: 22 de Julho de 2020
Fontes consultadas:

Website oficial da Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Neurogastroenterologia – http://www.sbmdn.org.br/
http://www.cienciainforma.com.br/
https://www.publico.pt/2020/05/14/ciencia/noticia/intestinos-dessem-pistas-gravidade-covid19-1916196

3 COMENTÁRIOS

  1. Completa explicação sobre o nosso seess gundo cérebro e com os devidos esclarecimentos .
    Adorei e vou prestar mais atenção do que ha venho tendo.

Responder a paulo fernando da silva melo Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here