Comprar Casa – Os primeiros Passos

0
133

Adelaide Miranda
(Life Coach de Alta Performance)
Esta semana quis trazer-te uma das minhas paixões: casinhas! Tenho uma paixão pelo ramo imobiliário e esse acaba por ser uma das minhas formas preferidas de investimento. Para além disso sou co-gerente e co-fundadora de uma agência imobiliária cuja intenção é a de facilitar um processo sem dor de cabeça para quem queira comprar casa em Portugal e não resida no país.

E, porquê comprar casa? Para quem compra existem duas vantagens: o valor mensal a pagar é menor para uma casa nas mesmas características e, ao final de vários anos, a casa é sua.

Para quem tem filhos existe um motivo extra: se nos acontecer algo a casa fica paga e, pelo menos, temos a segurança de que os nossos filhos terão um teto para morar.

Quero comprar casa, não tenho dinheiro e agora? Chegamos à altura em que nos sentimos prontos para dar um passo importante na nossa vida e percebemos que não temos condições financeiras para o cumprir. Não há que se instalar o pânico, há sim que encontrar soluções. A solução imediata é poupar. A questão é como começar a poupar? A poupança requer análise e planeamento.

Com base no meu Guia Prático da Educação Financeira e no conhecimento adquirido nos últimos cinco anos com a minha agência imobiliária, a Luso Star Apartments, apresento três dicas de como poupar para comprar uma casa. Estas dicas são intemporais, ou seja, servem para hoje e para qualquer outra altura.

Dica Número 1 – Definir a Budget
As poupanças devem ter sempre um objetivo em mente. A melhor forma de assumirmos um compromisso sério com a implementação de uma poupança regular é definirmos o objetivo da mesma, assim como o valor que queremos atingir. No caso da compra de casa devemos definir o preço máximo do imóvel que podemos adquirir. Atenção, eu disse podemos, não disse que queremos adquirir. É importante, essencial e obrigatório definir um valor que estejamos confortáveis em pagar. Como definir esse valor? A melhor forma é calculando o valor mensal que podemos pagar. A mensalidade da casa não deve ser superior a 1/3 do nosso rendimento mensal. Assim sendo há que estipular este valor. A melhor forma de fazermos este cálculo é pedindo uma simulação bancária nesses moldes. A maioria de nós escolhe a casa e depois vai ao banco pedir um crédito. O que devemos fazer é primeiro perceber qual o crédito que podemos obter nas melhores condições financeiras e cuja mensalidade não passe de 1/3 do nosso rendimento mensal.

Dica Número 2 – Traçar um Plano de Poupança
Não podemos falar em poupança sem falarmos em plano de poupança. Contudo, para traçarmos um plano de poupança devemos analisar o nosso orçamento familiar. Quais são os nossos rendimentos totais? Quais são os nossos gastos reais? De que forma podemos reduzir os nossos gastos reais de forma a aumentar o valor que vai para a poupança? De acordo com a simulação que obtivemos no banco, qual o valor de depósito inicial que devemos obter para conseguirmos o crédito? É importante, essencial e obrigatório preparar uma planilha financeira que seja o espelho da nossa situação atual e que inclua as alterações necessárias para conseguirmos definir qual o plano de poupança mensal e quanto tempo vamos necessitar para atingir o nosso objetivo.

Dica Número 3 – Colocar o Plano em Ação
Planeamos e agora temos de colocar o plano em ação. A parte mais complicada no estabelecimento de um plano de poupança é cumprir com o plano. Pouparmos religiosamente, anotar todas as despesas, eliminarmos certas regalias da nossa vida… São hábitos que devemos criar. É importante, essencial e obrigatório criar uma rotina para análise diária ou semanal da nossa planilha financeira. O primeiro passo será a abertura de uma conta poupança da qual não temos acesso, sem ser online. O segundo passo será estabelecer uma ordem de transferência permanente mensal com o valor que definimos no orçamento. O terceiro passo passa pelo controlo das despesas: podemos começar por comprar um pequeno estojo transparente onde colocamos todos os recibos das compras que fazemos durante o dia; depois, devemos apontar na planilha de orçamento todos os valores incluídos nos recibos; devemos, também, questionarmos sempre antes de efetuarmos qualquer compra, se a mesma está incluída no orçamento ou se é essencial.

Estão dadas as dicas básicas do que devemos fazer para pouparmos para comprar uma casa. Análise, planeamento e disciplina são as palavras de ordem. Poupança requer regras e as regras são feitas para serem cumpridas. Pequenos sacrifícios levam a grandes ganhos. Não há nada como estarmos na segurança do nosso lar, onde podemos pintar as paredes como quisermos. Não nos devemos nunca esquecer do nosso objetivo e de que em tudo o que fazemos a verdadeira intenção por trás é sermos felizes, sempre!

Mas, já sabes que comprar casa sem saúde não sabe nada bem, portanto, mantém os cuidados redobrados: máscaras, distâncias de segurança e higienização frequente das mãos!!! Vamos a isso!!! (X)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here