“Meu Bairro, Minha Língua”, a canção que marcará a reabertura virtual do Museu da Língua Portuguesa

0
531
FOTO: Creative Commons ©️

Manuel Matola

A canção “Meu Bairro, Minha Língua {…}”, um projeto musical idealizado pelo rapper brasileiro Vinicius Terra e que une importantes vozes da lusofonia, incluindo descendentes de imigrantes em Portugal, vai ser lançado a 05 de março, Dia da Língua Portuguesa, data em que será reinaugurado virtualmente o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo.

Um videoclipe e uma Websérie de oitos episódios, que contará como decorreu todo o processo criativo da canção colaborativa que reúne artistas de língua portuguesa, também serão exibidos em todas as plataformas digitais e numa televisão brasileira na próxima sexta-feira, dia em que se comemora o idioma de Camões que está em constante crescimento.

O projeto musical cantado em português visa “aproximar os distantes que pensam novas formas de usar a língua como conectora de bons sentimentos; mesmo que esses distantes estejam em outra ponta de oceano; do outro lado do Atlântico. “Meu Bairro, Minha Língua {…}” nos dá, por intermédio da história de cada artista (suas cores, vozes, nações e origens), a oportunidade de mostrar uma língua democrática, descentralizada, descolonizada e cada vez mais alinhada ao nosso tempo”, lê-se num documento de 50 páginas disponibilizado ao jornal É@GORA pelos mentores da iniciativa.

Em declarações ao jornal É@GORA, o músico brasileiro Vinicius Terra esclarece o racional desse propósito: “É preciso a gente pensar nos novos ícones para reformular a língua. Não adianta mais só ficar falando de Fernando Pessoa”, o poeta-mor que foi quem, de resto, inspirou os novos artistas, incluindo Elza Soares a ecoar o “Meu bairro, Minha Língua {…}”.

Mas mais do que reproduzir o refrão da música que dá nome ao projeto cultural do músico e compositor carioca Vinicius Terra, que “propõe a redescoberta de nossas raízes, heranças culturais e relações históricas, por intermédio de vozes potentes de artistas de países que falam a língua portuguesa”, segundo assinala o mesmo documento, esta ação visa também alertar para as dificuldades por que passa um grupo social muitas vezes não perceptível nesta crise pandémica: os imigrantes.

Músico brasileiro Vinicius Terra
“Acho que tudo isso é muito urgente. Engraçado, mas eu lancei agora uma música ´Eles Não Sabem a Minha Língua` (onde questiono): Porque somos invisibilizados mesmo tendo, por exemplo, o mesmo idioma? Por que um imigrante da Guiné-Bissau precisa de passar pelo processo de invisibilidade em Portugal sendo ele falante do mesmo idioma e tendo sido originário de um país explorado nos períodos coloniais”, indaga o músico.

Por isso, esta canção é também “com certeza” uma oportunidade para chamar atenção daquilo que está a acontecer com os imigrantes por causa da pandemia, afirma o rapper brasileiro, assinalando: “É muito urgente descolonizarmos a língua, uma vez que a língua só faz sentido se ela for viva”.

A canção conta a participação de várias vozes lusófonas convidadas: Elza Soares, Linn da Quebrada, Sara Correia, Dino D´Santiago, Gabriel Marinho, bem como a vocalista Patrícia Relvas e o guitarrista Roberto Afonso do Duo Lavoisier, e ainda o músico e produtor Tayob Juskow, originário de uma família miscigenada, que cruza sangue brasileiro, indiano, moçambicano e polaco.

“O grande objetivo é a gente começar a ter um olhar para a língua portuguesa sem um olhar eurocêntrico. É preciso descolonizar”, até porque “a língua portuguesa é muito moderna. Ela aceita muito de outros idiomas, apesar destas todas reservas e das questões de opressão na História das colonizações. É uma língua que aceita a integração das demais” variantes do português, aliás, “aqui no Brasil a gente usa idiomas dos (povos) originais da terra, a que os europeus chamam de índigenas”, explica Vinicius Terra em conversa telefónica com o jornal É@GORA a partir do Rio de Janeiro.

Com o patrocínio da EDP Brasil, o projeto “Meu Bairro, Minha Língua {…}” não só “encurtou as distâncias dos dois lados do Atlântico”, como também deu força aos artistas que tudo fizeram para ultrapasar as incertezas e desafios em 2020, e agora dar voz a uma língua que “está sempre em construção”.

Apesar da reinaguração virtual marcada para sexta-feira, seis anos após ter sido consumido pelas chamas, o Museu da Língua Portuguesa só receberá visitas do público a partir de julho, uma vez que o emblemático edifício localizado em São Paulo ainda “está sendo reconstruído”, segundo se lê na página oficial da instituição. (MM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here