Opinião: Mentalidade e Ação

0
163

Adelaide Miranda
(Escritora, Engenheira, Empreendedora)
Queremos a mudança no mundo. Reclamamos, simplesmente porque nascemos a reclamar, mas aguardamos pacientemente que os outros tragam a mudança que o mundo precisa. “Passamos a vida à espera de que “terceiros” resolvam o problema”, palavras sábias da Monja Zentchu.

Mas, o que é o mundo se não um aglomerado de sociedades? E, o que é um aglomerado de sociedades se não um conjunto de indivíduos? Assim sendo, se mudarmos os indivíduos mudamos o mundo! E como podemos, de uma forma ativa, mudar os indivíduos? Começando por nos mudarmos a nós mesmos. Será que estamos a dizer que a mudança no mundo começa com a mudança em cada um de nós pelas nossas próprias mãos? Esta é a mais pura verdade. A mudança deve começar em nós, E@agora?

Para que haja mudança é importante, essencial e obrigatório que haja ação. Por mais surpreendente que seja, aqui está o problema: na ação. Fazendo uma simples generalização do modelo do mundo, cada indivíduo encontra-se paralisado com medo de agir: “agirafobia”. Uma vez que a nossa mentalidade tem a tendência para aguardar por terceiros para resolverem problemas que nos cabem a nós resolver, ficamos com medo de agir. Temos medo de assumir as responsabilidades sobre as nossas ações portanto é mais fácil nada fazer.

E como podemos mudar a nossa mentalidade?

Assumindo, lentamente, a responsabilidade sobre a nossa vida. Não podemos amadurecer enquanto não estivermos preparados para assumir responsabilidades sobre tudo o que nos acontece. “Mas, Adelaide, o meu marido traiu-me, como é que a culpa é minha?”. Fácil, basta analisar a situação e perceber que provavelmente houve um distanciamento de ambos, ou na pior das hipóteses perceber que tens a tendência para escolher homens com esse padrão. Este foi só um exemplo de que em tudo o que nos acontece nós acabamos por ter alguma responsabilidade.

Então, a solução para mudarmos o mundo começa por assumirmos responsabilidade sobre nos nossos atos. Percebermos que para cada situação existe uma ação da nossa parte e uma consequência como resultado. Se quisermos mudar um resultado, depende de nós mudar a ação que temos perante a situação. Deixarmos a mentalidade de vítimas para o lado e assumir a mentalidade de uma pessoa que é responsável pelas suas respostas a determinadas situações.

Esta alteração apenas acontece com uma tomada de consciência e um crescimento que são resultado do autoconhecimento. Sabermos exatamente quais os nossos valores, princípios, crenças e também quais os nossos limites, permite analisarmos a melhor forma de agir e lidar com os medos e a ansiedades. Sendo mestres da nossa mente, patrões e gerentes da nossa mentalidade, tudo se torna mais fácil. Vemos a mudança em nós a acontecer, e tomamos a consciência que errar faz parte de um todo processo de crescimento e de conquista. E esta mudança terá, como vimos, um impacte no mundo.

O conselho é: deixar de procurar respostas cá fora e de esperar que “terceiros” resolvam os nossos problemas ou os problemas da humanidade. As respostas estão dentro de nós, basta estarmos preparados para as ouvir e colocar em prática, ou seja, agir!

E, se é para agir, que seja com respeito com a situação atual: com distâncias de segurança e máscaras de proteção. Comecemos por adotar uma mentalidade responsável pela nossa saúde, pela saúde dos nossos e, não poderia deixar de faltar, pela saúde dos outros. (X)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here