PM Bom Jesus diz que diáspora são-tomense terá direito de voto nas legislativas de 2022

0
181
PM são-tomense Jorge Bom Jesus

Os são-tomenses radicados no estrangeiro poderão ganhar o direito de voto nas eleições legislativas, a partir de 2022. O executivo de Jorge Bom Jesus promete criar as condições legais necessárias para corresponder a uma das reivindicações da comunidade radicada em países como Portugal, Gabão e Angola. No encontro com a diáspora em Lisboa, este sábado (31/08), o primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe assegurou que “nenhum são-tomense ficará de fora” na agenda de desenvolvimento nacional.

Os são-tomenses que vivem fora de São Tomé e Príncipe aplaudiram a promessa dada pelo primeiro-ministro do arquipélago, Jorge Bom Jesus, segundo o qual o seu governo vai trabalhar no sentido de assegurar o direito de voto da diáspora nas eleições legislativas, tal já acontece nas presidenciais.

O executivo preconiza a participação mais direta da diáspora na vida política do país e pretende, por essa via, congregar as muitas capacidades dos quadros existentes no exterior, podendo tirar daí maior proveito do seu vasto leque de competências e do saber a todos os níveis.

A população de São Tomé e Príncipe ronda os 200 mil habitantes (estimativas de 2018). Em Portugal vivem cerca de 30 mil são-tomenses que, ao longo de vários anos, têm vindo a reclamar o direito de voto nas eleições legislativas. Tal desiderato poderá transformar-se em realidade já no ato eleitoral de 2022, segundo o chefe do executivo são-tomense.

“Hoje, já temos uma diáspora bastante esclarecida”, cujo contributo para o esforço de desenvolvimento nacional deve ser devidamente equacionado. “Nesse sentido, a diáspora também deve ser envolvida para parcerias com portugueses e outras nacionalidades, que possam levar investimentos para São Tomé e Príncipe”, adiantou Bom Jesus, cujo governo tem apenas nove meses de vigência.

Na sua curta escala em Lisboa, o primeiro-ministro são-tomense quebrou o silêncio e o distanciamento de governantes anteriores e agendou encontrar-se com a comunidade radicada em Portugal.

O encontro, que decorreu na sede da UCCLA, serviu para partilhar com a comunidade a visão do executivo sobre os principais eixos do programa do Governo, que tem em conta o investimento no capital humano.

“E a diáspora conta nesta perspetiva de inclusão”, assegurou Jorge Bom Jesus, em declarações aos jornalistas. “Nós queremos incluir todos os são-tomenses. Nenhum são-tomense pode ficar de fora nessa agenda de renascimento de São Tomé e Príncipe», reforçou.

“Eu tenho quatro anos para o fazer. Nós vamos envolvendo, paulatinamente, todos os são-tomenses”, afirmou, acrescentando: “No meu comboio, todos os são-tomenses têm que entrar e têm lugar para assento de cidadania. Quanto a isto, podem contar comigo, ao nível político, cultural e social, entre outros”.

Foram várias as intervenções dos participantes, incluindo as associações mais representativas, que colocaram ao primeiro-ministro questões diversas, predominantemente sobre a situação dos estudantes no exterior, bem como a dos doentes evacuados para Portugal e, por inerência, sobre a ausência de condições técnicas no país de origem para realizar tratamentos como hemodiálise, entre outros.

A título de exemplo, um jovem evacuado para Portugal há nove anos disse que a Embaixada não tem capacidade para apoiar os doentes e explicou que não pode regressar porque o país é deficiente em matéria de assistência médica e medicamentosa.

“Nós temos sido ostracizados”

Comunidade são-tomense no encontro com PM em Lisboa

João Viegas, presidente do Fórum da Diáspora de São Tomé e Príncipe, sintetizou algumas das principais preocupações dos são-tomenses em Portugal, entre as quais a impossibilidade de os imigrantes votarem nas eleições legislativas. Nesta linha, afirmou que o país não dispõe de uma política para a diáspora.

“Por muito disponíveis que estejam os membros da diáspora para participar no processo de desenvolvimento de São Tomé e Príncipe, não nos é dada oportunidade e nós somos, pura e simplesmente, ignorados”, lamentou. “Nós temos sido ostracizados”.

Viegas disse que a massa critica da comunidade imigrante são-tomense é relevante, alertando para a necessidade de uma interação com a diáspora.

“São Tomé e Príncipe ignora-os por completo”, precisou, dizendo que este encontro proporcionado por Bom Jesus constitui “uma rara exceção da oportunidade de se falar com um membro de Governo de São Tomé”.

O dirigente associativo questionou o chefe do executivo “se há ou não vontade da governação para se alterar o paradigma da relação entre a diáspora e administração e a sociedade civil em São Tomé e Príncipe”.

Numa sala quase repleta, Jorge Bom Jesus tentou responder a todas as inquietações sem diabolizar o passado, recorrendo para isso ao programa do seu Governo, que nos próximos meses deve preparar o orçamento de Estado para 2020.

O documento centra-se na recuperação económica, na implementação de medidas e decisões para a atração do investimento e criação de riqueza. O papel da diplomacia económica é fundamental, como reconhece o governante são-tomense, que rejeitou falar dos legados dos últimos 40 anos de independência.


“É urgente resgatar São Tomé e Príncipe”

O país enfrenta muitos constrangimentos, incluindo situações de pobreza extrema, e, face a isso, necessita de reabilitar o seu tecido empresarial, resolver o problema das crises energéticas e das ligações aéreas internacionais, investir no capital humano, melhorar os serviços de saúde e assistência médica, na educação e proteção social.

O turismo é um setor transversal que também merece atenção como fonte de receita e de emprego. Bom Jesus promete uma política mais assertiva para a juventude, num país onde 70 por cento da população é jovem. O executivo promete também uma atenção particular à sua diáspora espalhada pelo mundo, sendo a mais representativa a que está em Portugal.

Fez alusão ao empenho comprometido de vários parceiros de desenvolvimento e a projetos que visam mudar o paradigma em São Tomé e Príncipe. “Quero dizer-vos que estou imbuído da melhor boa fé”, garantiu, sublinhando com espírito de missão que tudo fará para “servir São Tomé e Príncipe”.

Em resumo, pode-se concluir citando o apelo lançado na intervenção de outra são-tomense, a ativista Solange Salvaterra, que afirmou ser “urgente resgatar São Tomé e Príncipe”.

Jorge Bom Jesus passou por Lisboa, depois de ter participado no Japão na VII Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África (TICAD), que decorreu entre os dias 28 e 30 de agosto último, cuja tónica se centrou na necessidade de revitalização do setor privado, como meio para atrair o investimento direto estrangeiro, acompanhado de estabilidade política e governativa.

“Foi uma honra estar com a comunidade são-tomense, que é a maior e a mais antiga no quadro da CPLP”, afirmou o chefe do executivo são-tomense à margem do encontro que serviu para apresentar o novo embaixador para Portugal, António Quintas, que apresenta as cartas credenciais ao chefe de Estado português neste mês de setembro. (X)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here