Presidente de Cabo Verde considera “fundamental” que a “justiça seja feita” no caso Giovani

0
111
O imigrante cabo-verdiano Luis Giovani Rodrigues Foto retirada do Facebook

O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, exigiu em Lisboa que a “justiça seja feita” no caso de estudante cabo-verdiano, Luís Giovani Rodrigues, assassinado em dezembro em Bragança, num ato que descreveu como sendo “verdadeiramente brutal”, que tornou o jovem de 21 anos no imigrante mais mediático em Portugal.

Em declarações aos jornalistas, na capital portuguesa, Jorge Carlos Fonseca considerou “fundamental que o processo corra os seus termos de uma forma normal, que a investigação prossiga e que, no final, a justiça seja feita perante um caso que foi verdadeiramente brutal”.

O chefe de Estado cabo-verdiano falava no final da primeira visita oficial que efetuou a Portugal após a morte de Luís Gioavani Rodrigues, no dia em que passou um mês do incidente, mas sem data marcada para o julgamento.

“Foi um acontecimento muito lamentável, no caso uma morte brutal de um cidadão cabo-verdiano. Isso gerou uma onda generalizada de dor e indignação na sociedade cabo-verdiana e mesmo nas comunidades cabo-verdianas no exterior, o que é compreensível dado a natureza do evento e a forma como as coisas aconteceram”, referiu em Lisboa, onde participou no Conselho de Estado a convite do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente cabo-verdiano disse “ter registado a solidariedade dos estudantes portugueses, colegas de Giovani em Bragança”, das “atividades religiosas de Bragança, dos responsáveis pelo Instituto Politécnico de Bragança” e “as reações das autoridades portuguesas”, após o homicídio do jovem estudante de 21 anos, morto a 31 de dezembro em Bragança.

Luís Giovani Rodrigues chegou em outubro do ano passado à região de Mirandela para se formar no Instituto Politécnico de Bragança. Mas na madrugada do dia 21 de dezembro, o imigrante cabo-verdiano foi encontrado ferido numa rua de Bragança e 10 dias depois morreu num hospital do Porto, para onde fora transportado.

O caso tornou-se polémico em Portugal por quase não ter sido divulgado pelos principais “media” nos grandes centros urbanos e surgiram vozes na sociedade portuguesa a condenar o ato e, nas redes sociais, surgiu a tese de ódio racial associada à morte do estudante cabo-verdiano.

O presidente do Instituto Politécnico de Bragança Orlando Rodrigues, citado pela Lusa, disse que se tratou de uma “rixa no ambiente noturno”.

Mas à Lusa, o comandante dos bombeiros de Bragança, Carlos Martins, referiu que o caso de Luís Giovani Rodrigues chegou às autoridades de Bragança como um possível alcoolizado caído na rua sem menção a agressões ou ferimentos.

Só depois de chegar ao local e avaliar a vítima é que a equipa de emergência descobriu um ferimento na cabeça e “verificou que se tratava de um possível traumatismo craniano”, segundo contou Carlos Martins.

Mas houve outras versões: O bar onde o jovem cabo-verdiano estava com amigos publicou nas redes sociais um esclarecimento a confirmar que na madrugada do dia 21 de dezembro, “por razões desconhecidas, dois clientes envolveram-se em confrontos no bar”, escreveu a agência Lusa.

O jovem estava caído na Avenida Sá Carneiro, junto a uma loja (a W52), mais de meio quilómetro e alguns minutos a pé do bar Lagoa Azul onde terá estado com um grupo de amigos e onde terá começado uma desavença apontada como a origem da agressão.

Um primo da vítima contou ao jornal “Contacto” que a desavença terá começado por um dos amigos de Giovani ter tocado numa rapariga e o namorado não ter gostado.

Segundo o mesmo, quando o grupo de Giovani saiu do bar era aguardado por vários elementos “com cintos, paus e ferros” que terão agredido o elemento envolvido na desavença com a rapariga.

O mesmo relato indica que Luís Giovani Rodrigues terá intervindo para parar a contenda e foi atingido com “uma paulada na cabeça”, o que terá feito o grupo dispersar.

Após investigação do caso, a Polícia Judiciária considerou que na origem do caso esteve “um motivo fútil”.

Segundo relatos do jornal Público, “a autópsia foi inconclusiva, não esclarecendo se a morte foi provocada pela agressão ou pela queda” na rua, onde o jovem foi encontrado inanimado.

Já o Jornal de Notícias, que publicou a estória do caso no 01 de janeiro, dava conta que a morte do jovem terá sido causada por “ferimentos considerados graves que resultaram de agressões durante uma escaramuça que envolveu várias pessoas”.

Um mês depois, as autoridades judiciais anunciaram a detenção de cinco cidadãos, suspeitos pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio do estudante cabo-verdiano. O tribunal da Comarca de Bragança determinou a prisão preventiva do grupo, contudo, afastou a hipótese ter sido motivado por ódio racial.

A propósito, o Presidente de Cabo Verde considerou que “essa reação e emotividade social, coletiva muito forte é compreensível, dado a natureza do evento e a forma como as coisas aconteceram”.

“Estou convencido que o mesmo sucederia noutras sociedades se a vítima não fosse cabo-verdiana”, afirmou o chefe de Estado de Cabo Verde, que também preside a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), cujo futuro foi tema da sua intervenção no Conselho de Estado, órgão de consulta do Presidente de Portugal. (MM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here